Cordel Geek: o encontro de culturas nas rimas de Josué Limeira

A literatura de cordel é um símbolo da cultura nordestina, trazendo diversas histórias com rimas escritas em livretos, que ficam expostos em cordas (ou cordéis) – que deu origem ao nome. Mas já pensou misturar essa arte sensacional com o mundo geek? O pernambucano Josué Limeira não apenas pensou, mas pôs em prática – produzindo algumas narrativas envolvendo personagens de animes, séries e quadrinhos. Pokémon, Game of Thrones e Popeye são alguns que estão nessa mistura arretada!

Nascido no Recife, em 1965, Josué, quando criança, dividia as férias entre a capital pernambucana e o sertão da Paraíba, onde o avô tinha uma roça de algodão. Crescendo em uma época de ouro para histórias de assombrações no rádio, cantores de repente e cordelistas com seus livretos, o recifense ganhou uma base cultural que hoje traz em seus trabalhos. Em busca de algo novo e uma forma de atrair o público jovem para a literatura de cordel, surgiu a ideia de levar para as xilogravuras o fantástico e crescente mundo pop. Um encontro de culturas que deu certo.

O Pequeno Príncipe em Cordel, de Josué Limeira, foi destaque no maior prêmio da literatura brasileira, em 2016. (Foto: Divulgação)

“O Cordel cabe em qualquer assunto hoje em dia e vai do popular ao erudito e do rústico ao clássico, sem muitas barreiras. Percebi, no entanto, que a garotada, principalmente da capital, achava os temas batidos e não estava havendo uma renovação neste estilo literário. Foi daí que comecei a criar versos e rimas no universo Geek/Pop e a coisa chamou atenção por ser pioneira. É também, e este é o principal motivo, uma forma de atrair esta garotada para o cordel, para nossa linguagem literária, tão forte e tão rica”, disse.

A iniciativa rendeu bons frutos para Limeira, que foi finalista no Prêmio Jabuti – mais importante premiação literária do Brasil. O feito se deu graças ao cordel baseado no clássico O Pequeno Príncipe, um dos livros mais lidos do mundo, ficando atrás apenas da Bíblia Sagrada e de “O Senhor do Anéis (A Trilogia) – segundo um ranking divulgado pela Livraria Saraiva. A obra foi um sucesso, tendo adoção de mais de 34 escolas no Brasil. Colecionadores e leitores de mais de 16 países adquiriram o livreto, que também foi usado em estudos de faculdades, TCC, defesa de mestrado, peças de teatros escolares e amadoras e prova de concurso público.

“O prêmio Jabuti foi uma conquista, muito mais do que sucesso que é efêmero, a conquista é eterna, inesquecível e de sabor inigualável. Ter o selo jabuti 2016 na categoria adaptação do meu primeiro livro publicado foi de uma importância que não se mede. O Pequeno Príncipe em Cordel trouxe em seus dois anos e meio tanta coisa boa que não dar para enumerar, mas a mais especial é que conquistou o coração das crianças, nas escolas e nas casas que o livro pode entrar. Conseguimos baixar a faixa etária de leitura do Pequeno Príncipe e as ilustrações de Vladimir Barros encantaram este Brasil a fora”, contou.

THE WALKING DEAD EM CORDEL

O próximo cordel de Josué Limeira com a temática geek será o da primeira temporada de The Walking Dead, série de TV baseada na HQ de mesmo nome. O lançamento será feito com exclusividade no Formigueiro Nerd, evento promovido pela Conexão NERDeste, em Vitória de Santo Antão. O encontro será em 10 de junho, das 12h às 18h, na Praça de Eventos 2 do Vitória Park Shopping. A entrada é gratuita. “Ir para o formigueiro Nerd representa uma experiência única, porque é a primeira. Acho que vai ser muito legal ser uma operária, no meio desse formigueiro, com tantas formigas antenadas”, brincou. Os trabalhos do pernambucano estarão expostos e à venda no dia do evento, e ele participará de um bate-papo no palco.

ENCONTRO DE CULTURAS

Sobre a mistura do pop com o nordestino, Josué enfatiza que é um viés que outros poderão seguir no futuro. “Antes de tudo o pioneirismo, que nada mais é que colher erros e acertos, méritos e insucessos, mas, além disso tudo, o prazer de abrir uma nova estrada que muitos seguirão depois, diria que isso é enriquecedor e deixa a alma leve e o coração feliz”, pontuou.

A RELEVÂNCIA DO CONTEÚDO GEEK PARA A SOCIEDADE

Para Limeira, o universo geek pode transformar – positivamente – a vida de muitas pessoas. “Entretenimento. O mundo anda cinza, nunca vi tanta gente com depressão e outros males da alma. O mundo Geek  gira uma economia de bilhões de dólares no mundo todo, a coisa toda saiu do casulo, e alcançou a interação de jovens, adultos e crianças. E o que eu acho bacana é que uma ideia de algum game, personagem, blog, filme, animação, enfim, pode mudar não só a vida de uma, como a de muitas pessoas”, concluiu o cordelista.

OUTROS TEMAS

Josué Limeira também passeia por outras temáticas, escrevendo sobre diversos assuntos – como a literatura infantil “Dona Boca e a Revolta do Corpo”, publicada em 2016, que trata de alimentação saudável. “O universo de coisas que podem ser criadas com o cordel é algo imenso.  Tenho livretos e poemas com temas regionalistas, faço adaptação de clássicos literários para o Cordel, como foi com o Pequeno Príncipe de Saint Exupéry, e no projeto para este ano mais um clássico, que devemos lançar em 2019”, revelou.

TRECHO DO CORDEL O MATUTO E O POKÉMON

Anastácio de Zezé / Matuto de profissão / Caçador de chupa cabra / Sem medo de assombração / Ganhou um novo celular / Pra receber ligação / Era um celular bonito / Com 3G e com wifi / Atrás dele tinha escrito / Não se quebra quando cai/ Mas o homem não sabia/De um joguinho instalado/ Bola branca e vermelha/ Com um nome engraçado/Era o tal do Pokémon/Que jamais tinha escutado.

CONFIRA AS CAPAS DE ALGUNS CORDÉIS DE JOSUÉ LIMEIRA

Este slideshow necessita de JavaScript.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *