Heleno: um filme obrigatório para os amantes do futebol “raiz”

Coluna Geek Sports – Por César Rosati

 

Produzido durante longos oito anos e estrelado por Rodrigo Santoro somente em 2011, Heleno é muito mais que um filme sobre futebol. Mesmo passando-se na década de 40, o longa nos remete a realidade que muitos jogadores de futebol vivem nos tempos modernos. Conciliar talento e fama com as obrigações profissionais e manter os pés no chão.

O filme apresenta para todos aqueles que não viveram sua época, a história do dito primeiro jogador “problema” brasileiro: Heleno de Freitas, artilheiro e vice-campeão do Sul-Americano de 1945 com a camisa da seleção canarinha, além de grande ídolo do glorioso Botafogo de Futebol e Regatas. Sua relação com o Botafogo em paralelo a sua vida repleta de farras e confusões com sua esposa, interpretada por Aline Moraes, é o tema central apresentado por José Henrique Fonseca, diretor do filme.

Imagem: Divulgação.

Para quem é fã do futebol “raiz”, das antigas, a postura do jogador Heleno reflete muito do que o esporte representava no passado, onde os atletas defendiam seus clubes por amor e não pelos altos salários que são pagos no século XXI. Uma cena forte e que retrata bem esta realidade é a do pós jogo da final de um campeonato carioca, onde o Botafogo não conseguiu conquistar o título e Heleno, com as mãos cheias de sangue, de tantos socos desferidos na parede, recusa o dinheiro do “bicho” no qual teria direito pelo vice-campeonato, premiação tradicional no futebol após metas serem alcançadas.

Ao longo dos anos, seu ego acima da média e o seu forte temperamento dentro e fora de campo acabaram levando a carreira de um jogador que fatalmente disputaria a primeira Copa do Mundo no Brasil, em 1950, até um Hospício na cidade de Barbacena, em Minas Gerais, onde faleceu precocemente aos 39 anos, com sífilis e sem qualquer sanidade mental, chegando a não reconhecer antigos companheiros de time e até mesmo sua ex-esposa.

Vale lembrar que o filme é todo em preto e branco e baseado em relatos e “lendas” daqueles que conviveram com o ídolo botafoguense, portanto, muitas histórias ficam a cargo do próprio espectador acreditar ou não, como o momento em que ele joga pela primeira e única vez no Maracanã, onde alguns afirmam que ele foi expulso com poucos minutos de partida, já outros cravam que ele entrou em campo, admirou  a grandiosidade do estádio e voltou em choque para o vestiário. O fato é que, sem dúvida alguma, a história de Heleno de Freitas foi muito bem interpretada e assisti-la se tornou “dever de casa” para os amantes de filmes e do futebol

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *