Hulk na vida real: entenda os efeitos da Radiação Gama

Ser um super-herói com certeza já foi algo que passou pela cabeça de muitas pessoas. Salvar o mundo, lutar contra o crime e/ou trazer paz para uma nação são ideais de justiça presentes nesses personagens das Histórias em Quadrinhos e dos Filmes. O surgimento desses heróis muitas vezes se dá por conta de um acidente químico, físico ou biológico, como é o caso do Gigante Esmeralda, Incrível Hulk. Na história original dos quadrinhos, o Hulk é o selvagem e poderoso alter-ego do Dr. Robert Bruce Banner, um cientista que foi atingido por Raios Gama enquanto salvava um adolescente durante o teste militar de uma bomba por ele desenvolvida. Ao invés de perecer pela radiação, o cientista foi condenado a uma vida compartilhada com o seu lado mais obscuro, o também chamado Golias Verde. Será que algo tão surpreendente poderia acontecer na vida real? É o que veremos!

Bruce Banner se torna o Hulk quando fica nervoso. (Foto: Divulgação Internet)

A Radiação Gama não foi criada para o universo dos super-heróis, ela existe, e por sinal é poderosíssima. “A Radiação Gama é um tipo de onda eletromagnética como a luz, mas muito mais energética, emitida principalmente em reações nucleares e em grandes eventos espaciais. As erupções de raios gama formam o acontecimento mais luminoso que se conhece, provavelmente formado quando o núcleo de uma estrela massiva colapsa e forma um buraco negro”, diz Atila Iamarino, Biólogo e Pesquisador. Sem dúvidas, uma radiação nesta escala assusta só de imaginarmos.

Os Raios Gama conseguem atravessar bem mais barreiras do que prótons e elétrons e pode atingir facilmente células do corpo todo, ou seja, é a radiação mais penetrante que existe. Com certeza, alguém exposto à tamanha radiação, assim como o Bruce Banner, não escaparia com vida. Se na pior das hipóteses alguém escapasse, seu corpo ficaria extremamente radioativo e ninguém conseguiria se aproximar. Contudo, esta radiação pode ser contida e usada da maneira correta na Medicina Nuclear, com a Radioterapia – tratamento feito com Raios Gama e X para a cura de um tumor ou câncer.

Sessão de Radioterapia. (Foto: Divulgação Internet)

A Radioterapia serve para retardar, impedir ou destruir células tumorais ou anormais em proliferação no organismo. O método pode ser aplicado como tratamento único, ou em combinação com Cirurgia, Quimioterapia, Hormonioterapia ou Hipertermia. As modalidades de tratamento incluem Radioterapia interna e a Radioterapia externa. “A Radioterapia é o tratamento com fontes de radiação. Se essa fonte é externa e eu coloco um ser humano pra ser bombardeado, temos a possibilidade de afetar apenas determinados tumores seletivamente, sem atingir ou comprometer outras partes do corpo”, explica o Professor de Física e Engenheiro Físico, Francisco Brandão, da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

Os “Hulk’s” da vida real são aqueles que com ajuda da Radiação Gama venceram uma batalha dolorosa contra o câncer. Alguém assim pode ser considerado um super-herói, pois venceu uma luta contra algo mortal, uma doença que poderia destruí-lo. A Medicina Nuclear ainda tem muito que avançar, e assim, ajudar milhares de pessoas que anseiam continuar vivendo e realizando sonhos. Superpoderes poderiam não ser interpretados como algo bom se de fato existissem, e, provavelmente, os contemplados com esses dons não saberia administrá-los da maneira correta. Para o leitor de Histórias em Quadrinhos e fã de super-heróis Heitor Hernandez, nem tudo seria igual ao que se vê nas páginas dos gibis. “Se um ganho de força quase que mitológico fosse conquistado por acidente, eu tenho minhas sérias dúvidas se essa pessoa iria ter o autocontrole e o código de ética que faria dela um herói”, questiona Heitor, estudante de Publicidade e Propaganda.

Com certeza salvar o mundo seria algo extraordinário, e a pessoa que realizasse tal feito na vida real seria aclamada por todos. Mas se analisarmos bem, salvar a nós mesmos já é um ato bastante heroico. Além da Radioterapia, a força de vontade e a coragem dos pacientes fazem a diferença na hora do tratamento. A superação. A fé. A certeza de que tudo terminará bem. Pessoas que lidam com dificuldades diárias e mesmo assim não desistem de lutar. Quer algo mais heroico que isso? Sem dúvida, exemplos que nos motivam a encarar as batalhas cotidianas com outro olhar, e sempre crer que o bem sempre vence o mal, e não há mal que dure para sempre.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *